Category

Custos

Gestor Web reduz o custo de manutenção do ERP?

By | Custos, ERP, gestao, POSSEIDOM

Sem o ERP, as empresas têm uma vida muito mais difícil. Com tantas tarefas e informação circulando pelo mercado, e com pouco tempo para lidar com elas, contar com o apoio de um sistema de gerenciamento é essencial. Porém, uma liderança eficiente sabe usar esses recursos de forma inteligente, fazendo o controle dos seus custos. Confira como o Gestor Web pode reduzir o custo de manutenção do ERP.

O que é o Gestor Web?

O Gestor Web é um modelo de líder que está focado em trazer mais soluções inovadoras para a sua empresa. Ou seja, ele não somente incorpora uma solução de ERP para o seu negócio, como também busca uma forma de fazê-lo operar da maneira ideal.

Entre as inúmeras vantagens de implementar o ERP com a mentalidade do Gestor Web, é possível interagir melhor com o suporte em diversas ações que permitam fazer um controle melhor das atividades da sua empresa, desde a gestão financeira, de estoque e comercial, com suporte para as notas fiscais eletrônicas.

Um sistema permite, ainda, elaborar gráficos e relatórios que ajudem a reconhecer o desempenho da empresa.

Como funciona a manutenção de um sistema de ERP?

Para aproveitar essas vantagens ao máximo, é ideal que o ERP sofra manutenções regulares. Geralmente, isso ocorre na forma de uma atualização, para fazer o sistema operar de maneira ideal ou por meio de correções de certos problemas pontuais.

É importante que esse processo seja bem dinâmico. As atualizações existem para aproveitar todo o potencial do sistema e, muitas vezes, para garantir que o sistema execute o que o cliente precisa.

Como reduzir no custo de manutenção do ERP?

A redução do custo de manutenção do sistema significa torná-lo mais eficiente, basicamente, de duas formas.

A primeira, é sendo proativo. Existe uma busca constante por melhoria dentro do sistema, implementando novas soluções, novos conceitos e novas tecnologias conforme elas forem evoluindo. Assim, é garantida a máxima performance e operabilidade deste. Ele, então, é o primeiro tipo de manutenção que parte do prestador de serviço para o seu cliente.

Essa manutenção é importante e ajuda a reduzir os custos, pois age de forma preventiva. As atualizações garantem que o sistema está em condições perfeitas, evitando ao máximo chamadas de suporte.

Existem as manutenções “maiores”, em que são disponibilizadas novas versões do sistema, com funcionalidades novas e outras mudanças mais consideráveis. No entanto, existem as “menores”, com patches que pretendem trazer alguma correção de bug ou uma mudança mais específica.

Com isso, chegamos no segundo modelo, que é tão, ou mais, importante. Estes são os pedidos de manutenção que partem do cliente para o prestador de serviço, ou seja, quando o usuário abre uma chamada de suporte.

Isso pode ocorrer por diversos motivos e é algo, na verdade, bem saudável. Desse modo, a DP Sistemas oferece diversos canais de suporte, seja por chat, e-mail ou telefone, inclusive com acesso remoto, para que a resposta possa ser rápida e precisa.

comunicação entre prestador de serviço e cliente é essencial para ter um suporte mais eficiente e reduzir os seus custos. Mesmo que o motivo seja apenas tirar alguma dúvida, implementar alguma funcionalidade que o cliente percebeu ser importante ou corrigir algum erro, é preciso que haja uma aproximação bem grande entre ambos os lados.

É por isso que a DP sistema se foca tanto no seu serviço de manutenção e suporte. Para que os custos sejam os menores possíveis, para ambos os lados, e para que possamos entregar exatamente o sistema que você deseja.

Como formar o preço de venda do seu produto?

By | Custos, ERP, POSSEIDOM

A precificação correta é uma das medidas mais importantes para evitar desregulações financeiras em uma empresa. Para definir o preço de venda de seus produtos, custos, despesas e margem de lucro esperada, eles precisam ser calculados conjuntamente.

Custos

São considerados custos todos os gastos com subsídios para a produção do produto a ser vendido. Definir o que é custo depende de características específicas de cada empresa. Contudo, a delimitação básica é de que tudo o que for imprescindível para a criação do produto, é um custo.

Os custos de uma empresa podem ser diretos ou indiretos, fixos ou variáveis.

Os custos diretos são os mais fáceis de serem contabilizados, correspondendo a tudo que está diretamente ligado à produção. Esses gastos não necessitam de cálculos mais complexos para serem atribuídos ao produto comercializado. Matéria-prima e mão de obra são tipos de custos diretos.

Já os indiretos, apesar de sua incidência no produto ser mais difícil de ser identificada, são necessários para a cadeia produtiva de alguma forma. Por exemplo, gastos com transporte para comprar matéria-prima, energia elétrica usada para operar máquinas na produção etc.

Por sua vez, custos fixos são os que não sofrem alterações, independentemente se o volume da produção ou vendas aumentar ou diminuir. Em contrapartida, os variáveis são modificados dependendo da quantidade de produtos fabricados e comercializados.

O aluguel de uma fábrica ou a compra de um software, por exemplo, são classificados como custos fixos. Já a compra de subsídios ou gastos com pessoal são do tipo variável.

Promoções, produtos que sofrem altas ou baixas devido à sazonalidade, mudanças de fornecedores etc., também influem na variação de gastos.

Há também o custo diferenciado por categoria que soma gastos com armazenagem e manutenção para produtos que precisam desses cuidados para manterem a qualidade.

Despesas e perdas

As despesas correspondem aos gastos com a comercialização dos produtos. Pagamentos de comissões, fretes, marketing e propaganda, aluguel de loja e impostos são alguns exemplos. Despesas também podem ser fixas ou variáveis, influenciadas pelo volume de vendas e produção.

Ainda, as perdas são outro fator que deve ser considerado para formar o preço de venda de um produto. Os artigos a serem vendidos, matéria prima dentre outros que tiverem de ser descartados por algum motivo devem ser registrados. Esse controle é útil para evitar e reduzir esse tipo de prejuízo na empresa futuramente.

Margem de lucro

A margem de lucro deve ser estipulada em porcentagens e incidir sobre os custos da unidade de um produto. De acordo com volume de vendas, demanda dos consumidores e disponibilidade, por exemplo, cada produto pode ter uma margem diferenciada.

Cálculo para formar o preço de venda

Para calcular a precificação, primeiramente devem ser somados todos os custos, despesas e eventuais perdas contabilizados. Após, inclui-se a margem de lucros na fórmula PV = C / (100%-ML), onde PV é preço de venda, C são os custos e ML é a margem de lucro. Feita a divisão dos gastos pela margem de lucro pretendida dividida por cem, tem-se a precificação do produto.

Contudo, outros aspectos também precisam ser levados em consideração na hora de definir o preço de venda. Avaliar os valores praticados por concorrentes é importante para evitar a cobrança muito acima ou abaixo do mercado.

A precificação elevada pode acabar afastando os consumidores, que optarão por alternativas mais econômicas. Por outro lado, ter preços muito baixos pode trazer prejuízos sérios às contas da empresa.

Fontes:

Quanto custa produzir o seu produto ou serviço?

Custos, Despesas e Perdas: Qual a Diferença?

Desvendando a Contabilidade de Custos

Saiba quanto cobrar pelo seu produto ou serviço

Aprenda como calcular o preço de venda de um produto ou serviço de forma simples

Aprenda a calcular preço de venda dos produtos

Como calcular o preço de venda (lucro)

Como calcular preço de venda dos produtos

Solicitar Orçamento

×