Fluxo de caixa: 4 erros que você não pode cometer no da sua empresa

By | Financeiro, gestao, POSSEIDOM

Não é mistério que gerenciar bem a economia da sua empresa é essencial para conseguir realizar orçamentos precisos e eventualmente lucrar mais. Uma das medidas para conseguir esse controle é o fluxo de caixa. Afinal, registrar cada entrada e saída financeira do seu negócio é essencial para organizar toda sua gestão.

Por ser uma ferramenta importante, ela precisa ser aplicada adequadamente, a fim de evitar falhas que podem te prejudicar no fim das contas. Para que isso não aconteça na sua empresa, selecionamos os erros mais comuns que podem ocorrer no fluxo de caixa.

Não categorizar corretamente

Para que o fluxo de caixa funcione como uma ferramenta organizacional, ele mesmo precisa estar bem estruturado. Não basta apenas dizer o que entrou e saiu, mas deve separar em categorias. Ao fazer isso, o gestor terá mais facilidade em identificar a origem de todos os valores, ajudando a encontrar anomalias e a definir melhor o orçamento por setor.

Mesmo que seja uma fonte eventual que acredita que não vai movimentar muito, seja o mais preciso possível e evite termos genéricos como “outros valores”. Quanto mais preciso nos rótulos, melhor será a gestão.

Não manter o fluxo atualizado

Fluxo de caixa é uma área da administração que exige dedicação constante. É importante manter uma periodicidade para os lançamentos, de maneira a fugir de acúmulos que vão só atrapalhar futuramente. O ideal, independentemente do tamanho da empresa, é fazer atualização diária.

Mesmo que sejam poucos valores, é melhor fazer no dia do que deixar para depois por preguiça e ficar vulnerável a erros. Uma das vantagens de atualizar os dados diariamente é ter informações constantes sobre o funcionamento da sua empresa, se ela está mantendo capital de giro, se consegue lucro, se há um problema, etc. Isso dá velocidade para agir no momento certo e reduzir prejuízos com imprevistos.

Inserir valores que ainda não entraram

Quando a empresa decide uma compra ou consegue uma venda pode ser tentador lançar logo, afinal, atualizar é importante, certo? Pode ser contraditório, mas não é sempre o caso. Dependendo do método de pagamento esses valores não entram na conta de imediato, como em parcelamentos e cheques pré-datados.

Contar com esse dinheiro antes da hora é perigoso, pois a empresa pode utilizá-lo para algum gasto quando, na verdade, não o tem. Pode causar confusão também quando o dinheiro entrar de fato, gerando um lançamento duplicado. Por isso é importante lançar apenas conforme o dinheiro entrar ou sair da conta da empresa.

Não ter cautela com os detalhes

Fluxo de caixa não trata apenas de números, mas de uma série de informações importantes para a empresa, que devem ser registradas de acordo. Um dígito em um local errado pode alterar drasticamente as contas e causar interpretações erradas que podem afetar todo o negócio.

Por causa disso, é importante que os lançamentos sejam feitos com atenção, inserindo os mínimos detalhes e as informações úteis para a gestão. Além disso, todas as entradas e saídas devem ser contabilizadas, mesmo quando o valor é pequeno, porque no fim do mês elas fazem a diferença. Uma dica é usar um software especializado, para facilitar os lançamentos e evitar erros.

Nota fiscal eletrônica: conheça os diferentes tipos que existem

By | ERP, NF-e, POSSEIDOM, SPED

Todo processo de compra e venda no Brasil exige a emissão de uma nota fiscal que descreve as atividades realizadas, os produtos ou serviços comercializados, as informações dos envolvidos na negociação e a carga tributária incidente na transação.

Recentemente, as Notas Fiscais Eletrônicas se tornaram cada vez mais presentes em nosso mercado e, hoje, são a grande maioria dos documentos fiscais emitidos.

Neste texto, você conhecerá os cinco tipos de notas fiscais eletrônicas existentes. Confira!

NFe: Nota Fiscal Eletrônica de Produto

Nota fiscal emitida na venda de produtos sobre os quais incide ICMS (Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços) e IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados). É emitida para venda de produtos de revenda ou após industrialização, bem como movimentação das mercadorias. Serve para substituir os modelos antigos de Nota Fiscal 1 e 1A. O documento é válido apenas com autorização da SEFAZ e certificação de assinatura digital.

NFS-e: Nota Fiscal Eletrônica de Serviço

Esta Nota Fiscal Eletrônica substitui o antigo documento de Declaração de Serviço, que descrevia operações sobre as quais incide o ISS – Imposto sobre Serviços (ISS). Confirma e descreve a realização dos serviços, bem como caracteriza contratantes e prestadores.

A NFS-e possui algumas peculiaridades. A cobrança do ISS fica a cargo do município, por isso, é o município que faz o cálculo do tributo, o que pode ser ajustado conforme a necessidade.

Além disso, apenas uma operação de serviço pode ser discriminada a cada nota, que pode ser faturada pela empresa após a conclusão da prestação. A nota precisa conter o código individual fornecido pela prefeitura, e ser armazenada digitalmente pela empresa em formato XML.

CT-e: Conhecimento de Transporte Eletrônico

Este documento fiscal serve para serviços de transporte de carga intermunicipal ou interestadual, e substitui o modelo manual, utilizado até 2012.

Sobre este tipo de serviço incide ICMS, e os requisitos desta nota são semelhantes aos da NFe de produto: ser armazenada em XML, contar com assinatura digital e ter autorização da SEFAZ. É um tipo de nota fiscal que ajuda na precisão da descrição dos produtos transportados, além de baratear e simplificar o frete para todos os envolvidos na operação.

NFC-E: Nota Fiscal Eletrônica do Consumidor

Documento utilizado para descrever operações com incidência de ICMS. Porém, é a nota fiscal destinada ao consumidor final, por isso, é emitida tendo como destinatário uma pessoa física. Este documento fiscal foi implantado recentemente, mas já está em plena operação junto às SEFAZ dos estados da federação.

MDF-e: Manifesto de Documentos Fiscais Eletrônicos

Este tipo de documento fiscal é utilizado para congregar várias notas fiscais em um único arquivo eletrônico. É utilizado principalmente por empresas que transportam de maneira intermunicipal ou interestadual produtos que tenham mais de uma nota fiscal (NF-e), ou ainda para empresas que realizam transportes com mais de um documento de Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e). Por isso, cada MDF-e é válido para apenas uma operação.

Para saber mais sobre gestão, ERP, notas fiscais e outros assuntos do mundo empresarial, acesse nosso site e leia outros artigos!

Vantagens que um sistema ERP traz para a gestão do seu negócio

By | ERP, gestao

Com o objetivo de melhorar o fluxo de trabalho interno da empresa e torná-la cada vez mais atuante no mercado, o sistema ERP (Enterprise Resources Planning) surge como uma fundamental estratégia para potencializar a gestão. Para fazer este investimento é preciso primeiro avaliar e planejar como ele será implantado. Seus benefícios são muitos, uma vez que está ligado diretamente ao dia a dia da empresa.

Read More

Como um software pode ajudar no controle de estoque da sua organização?

By | desempenho, e-commerce, ERP, POSSEIDOM

Quando falamos de empresa varejista pensamos na complexidade que é organizar e manter um estoque. O fluxo de entrada e saída de mercadorias pode ser intenso, dependendo do tamanho de sua empresa. Contudo, mesmo em pequenos negócios, ele é um dos principais indicadores sobre vendas, marketing e produção, fundamental para tomadas de decisão. Por isso, a implementação de um software de gestão de estoque é a melhor solução.

Através dele, é possível criar um planejamento estratégico completo, que acompanha os indicadores de desempenho. Estes últimos são definidos de acordo com os objetivos da empresa. Além disso, no software se registra todos os dados relacionados aos produtos, mesmo informações de fornecedores, preços e descontos, quantidade e validade. Desta forma, há sempre informações com rapidez e fidelidade.

Informações precisas e integradas

Um dos principais benefícios do software de gestão de estoque é a possibilidade de ter o conhecimento de todos os produtos – produzidos ou comprados – disponíveis na empresa, bem como de seus fornecedores. Neste sistema, o responsável pelo controle pode incluir, apagar e alterar os dados, de forma com que eles estejam sempre atualizados. Quando a quantidade de produtos é pouca, pode parecer mais fácil organizar, porém quando está na casa de milhares é impossível ter o controle manualmente.

A partir desta funcionalidade, os ganhos podem atingir outros setores da empresa, como no setor de marketing e financeiro. Se uma empresa tem entregado um produto de baixa qualidade, por exemplo, o setor financeiro tem que ser avisado para que renegocie valores ou cobre responsabilidades. Outro caso é o de haver o acúmulo de um mesmo produto no estoque, pois o setor de marketing tem que ser comunicado para que pense em promoções que façam com que eles sejam vendidos.

Adoção de políticas de estoque eficientes

Quando as informações sobre o estoque são claras, verdadeiras e atualizadas, a empresa pode tomar decisões com base em certezas. Através dos relatórios gerados pelo software de gestão é possível definir políticas de estoque e a maneira como ele irá funcionar. Esse planejamento indica quais são os itens de maior e menor saída, apontando de maneira objetiva como os produtos devem ser armazenados e organizados dentro do espaço.

Este é um tipo de erro comum, porque acaba gerando um “esquecimento” do que tem no estoque. Em consequência, há a perda de produtos pelo seu vencimento ou por mau armazenamento. Não se pode investir na compra de produtos que não vendem, isso é perder dinheiro. Como também não se pode deixar os produtos que mais vendem faltar no estoque.

Evita problemas tributários

Uma das maiores dores de cabeça dentro do estoque é o cumprimento das obrigações tributárias. Sobre os produtos incidem diferentes tipos de impostos e é importante que todas as informações estejam integradas. Agindo desta forma, todo o cálculo de impostos passa a ser automático através do sistema de gestão. Nenhuma informação se perde e o pagamento dos tributos é feito de maneira correta.

Adotar o software de gestão evita erros nesta área e eles, quando acontecem, podem trazer grandes transtornos, como o pagamento de juros e multas. A informatização permite que o Fisco tenha o conhecimento da quantidade de produtos que uma empresa deveria ter em estoque. Desta forma, o confronto de informações se torna muito mais fácil e preciso. Bom para os dois lados.

6 motivos para sua empresa investir em um sistema financeiro e fiscal

By | Controle Financeiro, Controle Fiscal

O controle financeiro e tributário é um dos maiores desafios dentro de uma empresa, pois dele depende a movimentação de recursos. Ele é determinante para o equilíbrio das atividades, pois é preciso ter a manutenção de tudo o que envolve dinheiro para não errar no cálculo de tributos, assim como na análise financeira e econômica. Contar com um sistema informatizado e completo na área faz com que a empresa ganhe em otimização.

Para que a compreensão dos benefícios esteja mais clara e objetiva, conheça seis motivos para compreender a importância de investir em um software de controle financeiro e fiscal:

1-Consistência de resultados e informações

A responsabilidade com a movimentação financeira é pauta constante dentro do setor referente e para que as decisões mais certas sejam tomadas, as informações devem ser exatas e precisas. Quando existe uma infinidade de planilhas e controles diferentes se torna mais fácil que alguma informação fique perdida no caminho. Para evitar essa difusão de dados, a concentração em um sistema próprio cria segurança e certezas, o que é imprescindível para o bom funcionamento.

2-Informações integradas para toda a equipe

Os sistemas também apresentam o benefício de oferecer uma visualização dos dados de forma integrada e precisa para toda a empresa. Mesmo que eles sejam direcionados ao setor que cuida das questões financeiras e fiscais, toda a gestão precisa conhecer os números gerados. Assim, o planejamento estratégico da empresa pode ser reavaliado constantemente e novas metas traçadas em benefício da lucratividade.

3-Controle do fluxo de caixa

Uma empresa que não se preocupa com o fluxo de caixa perde bastante na sua avaliação financeira. Ele é essencial para indicar onde os recursos estão sendo gerados e onde estão sendo gastos, porque registram as receitas e despesas. Se ela gasta mais do que ganha, há um déficit importante sendo criado, porém eles muitas vezes não são observados porque falta tecnologia para isso. Estas informações não devem passar despercebidas, porque podem levar à falência.

4-Automação como aliada para a precisão dos resultados

A automação é uma das principais aliadas do setor financeiro e fiscal, porque diminui a possibilidade de erros e aponta resultados certeiros. Simplificar a rotina faz com que os colaboradores se dediquem ao que realmente é relevante, enquanto as atividades burocráticas funcionam automaticamente. Através do sistema e do acesso de login, o colaborador tem acesso às informações que precisa para trabalhar em suas demandas.

5-Economia com a informatização

Pensando na economicidade, não se pode esquecer que a adoção de um software financeiro e fiscal leva à diminuição da necessidade de impressões em papéis e do uso de arquivos físicos. Toda a ocupação de espaço gera custo, seja dentro da empresa ou no aluguel de lugares especializados na guarda de documentos. Armazenar documentos digitalmente gera economia, porque as informações são salvas em servidores externos ou em nuvens virtuais, além da possibilidade de criptografar.

6-Atividades padronizadas

Um colaborador tem um estilo de trabalho diferente do outro, seja em maior ou menor grau. Mesmo que a chefia dê a mesma incumbência a eles, a maneira como executarão a atividade será distinta de um para o outro. Esta particularidade traz benefícios, mas também prejuízos. As variações e inconsistências podem aparecer e comprometer os resultados, ainda mais se no meio do processo for necessário trocar o colaborador. Os sistemas ajudam a padronizar os serviços.

Saiba como um ERP pode impactar e alavancar o desempenho da sua empresa

By | desempenho, gestao

O que é preciso para um empresário empreender mais e melhor em favor de sua empresa? O fracasso muitas vezes é nominado de falta de oportunidades, mercado fraco, poucos incentivos e difícil aceitação do produto. Contudo, quase sempre o real fator que levou a esta situação é a desorganização. A gestão peca em profissionalismo e produtividade, porque não tem um sistema integrado de ações (ERP) que faça esse desempenho alavancar.

Procure a simplicidade na gestão dos processos

A máxima de que “menos é mais” nunca fez tanto sentido como faz hoje para os negócios, a simplificação é hoje o melhor caminho. Quando se tem, dentro da empresa, informações espalhadas em planilhas, documentos, pastas e arquivos, torna-se muito difícil encontrar o que é correto seguir. Desta forma, os erros acontecem porque ninguém se entende nas informações.

O software de ERP auxilia nesta unificação dos dados e na apresentação deles de maneira clara e objetiva. Todos os relatórios, tabelas e gráficos estão dispostos em um só lugar, facilitando a consulta e a tomada de decisão. Isso porque há plena visualização do cenário financeiro, o que leva às melhores escolhas para alavancar o desempenho e as vendas.

Conheça e comunique-se com o cliente

Como o cliente recepciona o produto que a empresa comercializa? Esta pergunta muitas vezes não é analisada e leva a conclusões precipitadas e errôneas a respeito dos clientes. Por isso, é muito importante compreendê-los. Através dos resultados apresentados nos relatórios e planilhas gerados pelo sistema ERP, o marketing pode definir as melhores campanhas e estratégias de comunicação.

O cliente precisa se sentir importante para a empresa, ele tem que estar próximo de suas atividades para poder desenvolver confiança e conhecer a qualidade dos produtos e serviços. Com as informações dele no sistema sobre os seus gostos ou mesmo data de aniversário, é possível criar comunicações institucionais particulares a eles e peças de marketing eficientes para atingir todo um grupo.

Diminua as chances de erros

Pelas informações geradas por um software ERP, a equipe de gestão pode conhecer objetivamente onde estão os seus erros. Para que isso aconteça é necessário personalizar e inserir as métricas escolhidas pela empresa.

Assim haverá o conhecimento sobre a realidade do negócio e se a sua operação está sendo aprovada. As melhores práticas de gestão podem ser adotadas a partir dos resultados que forem surgindo. Um trabalho vivo e importante que deve ser contínuo.

Para a melhor implantação do software ERP, todo o planejamento estratégico deve estar solidificado. Assim, o sistema pode ser alinhado segundo ele, em benefício dos processos da empresa. Entretanto, este sistema é tão dinâmico que em pouco tempo ele ajudará na organização e adoção de práticas de gestão ainda mais eficientes. Toda a operação melhora, porque há mais organização e visualização das ações.

Economize para poder lucrar melhor

O melhor desempenho também passa pela economicidade, pois não há melhora nas vendas enquanto houver perda de dinheiro. Os ganhos neste sentido são nas mais diversas áreas como, por exemplo, em treinamentos. Quando o sistema ERP é implantado na empresa, todas as equipes precisam de treinamento para ter conhecimento sobre o funcionamento. Contudo, assim que esta etapa termina, não há mais necessidade de treinamentos constantes, só em casos de atualização.

Sistema ERP: Como ele pode se relacionar com a sua estratégia de marketing?

By | ERP, gestao, Marketing Digital

Se você já emprega um sistema ERP sabe muito bem a diferença que ele faz no cotidiano da sua empresa. Os softwares desta categoria facilitam a gestão financeira e operacional, controlando informações-chave para a organização. Um detalhe menos conhecido é que ele também pode ajudar na sua Estratégia de Marketing.

Sabemos que o Enterprise Resource Planning se trata de uma solução que tem por objetivo integrar diferentes áreas da empresa. Justamente por conta deste detalhe ele pode atuar em favor da sua comunicação. Pois o leque de possibilidades destes programas vai muito além do setor financeiro.

A gama completa de atividades pode incluir da estocagem, até compras, vendas e muitos outros setores da organização. Com a área de que tratamos aqui não poderia ser diferente. Quer saber como a tecnologia dos sistemas integrados de gestão pode se relacionar com a sua estratégia de marketing? Então continue a leitura do artigo!

Como o sistema ERP pode se relacionar à sua Estratégia de Marketing?

Para entendermos esta relação basta levar em consideração o elemento com que trabalha o ERP: a informação. Não esquecendo que, além de processada, ela estará concentrada em um único lugar. Basicamente o que temos aqui é a matéria prima de toda boa estratégia de marketing.

É assim que partindo dos dados fornecidos a sua empresa estará apta a desenvolver campanhas com dados precisos e relevantes. Paralelamente a isto temos como benefício o aumento na eficiência interna da empresa. Ao proporcionar isto o sistema também irá colaborar para ações mais efetivas. E o primeiro quesito onde podemos juntar as duas vantagens é no relacionamento com os clientes.

Com o ERP você poderá organizar as informações e criar uma base de contatos detalhada. A partir dela campanhas segmentadas serão desenvolvidas. As possibilidades de personalizar as ações incluem descontos nos aniversários, por exemplo. Outra alternativa são as newsletters com novidades para quem não visita o seu site há algum tempo.

Aumentando as vendas e fazendo bom uso dos relatórios

Com estes exemplos fica claro que o ERP impacta na sua Estratégia de Marketing de forma a aumentar as vendas. Inclusive o seu negócio pode fazer acompanhamento de leads em tempo real. Quando uma ação deixou de ser completada, ou não teve a resposta esperada, a equipe comercial entra em ação.

As informações compartilhadas através do sistema ERP permitem uma comunicação personalizada que leva o visitante à conversão. Em outro setor, ao lidarmos com estocagem, temos mais uma forma de trabalhar esta tecnologia. A percepção de itens com maior ou menor saída é algo que serve para balizar eventuais promoções.

“Queimar” os itens parados através destas campanhas ajuda a fazer o giro de caixa. Ainda neste quesito, o sistema colabora para identificar quais produtos não estão mais disponíveis. Desta forma o seu site poderá ser atualizado rapidamente, evitando transtornos como clientes fazendo o pedido de itens esgotados.

Para um marketing eficiente não dispense os sistemas integrados

Você pôde conferir neste artigo como o sistema ERP se relaciona com a sua Estratégia de Marketing. Trata-se de um recurso que pode aprimorá-la de inúmeras formas, aumentando vendas e melhorando o relacionamento com o cliente. Afinal, as informações que são trabalhadas a partir destes sistemas mostram-se cruciais para a assertividade de qualquer campanha.

Saiba como melhorar a gestão de backoffice da sua empresa

By | gestao, POSSEIDOM, Sem categoria

As funções de BackOffice são as atividades executadas em um ambiente de retaguarda, ou seja, que não interage diretamente com o cliente. São consideradas atividades de BackOffice de uma empresa algumas funções, como: contabilidade, gestão de estoques, gestão financeira, planejamento, transporte, etc.

Como você pode perceber, são atividades de retaguarda que exercem um papel fundamental para que as empresas alcancem os seus objetivos, de modo que, essa área necessita de agilidade nos seus processos, para que assim, ofereça informações e todo o suporte que a empresa necessita para agregar ao seu ambiente operacional e interação com o cliente (Front Office).

A partir dessas características, nós percebemos que muitas empresas necessitam melhorar esse setor, por isso, preparamos este artigo em que abordaremos algumas práticas que vão melhorar a gestão de BackOffice na sua empresa.

Mapeamento, otimização e normalização de processos

Os primeiros passos para melhorar a gestão de BackOffice na sua empresa é mapear os processos de todas as atividades que são executadas, buscar redundâncias e ineficiências, para que assim seja realizado o processo de otimização.

Na fase de otimização, os gestores de processos devem melhorar as atividades da área, ou seja, eliminar o retrabalho, diminuir o tempo gasto em cada atividade e utilizar melhor os recursos. Dessa forma, os seus processos serão mais ágeis e coesos.

A última fase será promover a normalização dos processos, ou seja, garantir que cada atividade seja executada sempre da mesma forma, com a busca do mínimo de exceções possíveis nos seus procedimentos. Isso possibilita que cada atividade seja documentada em detalhes e evita que tenha eventos inesperados nos processos.

Elimine processos manuais

Apesar de todo avanço da Tecnologia da Informação — TI, ainda é comum vermos empresas que realizam boa parte das suas tarefas administrativas e de gestão de forma manual. Essa é uma realidade muito comum na área de BackOffice de muitas empresas, independente do seu porte.

No entanto, para melhorar a gestão dessa área é preciso inovar e realizar a adesão de novas tecnologias, deixar de lado os controles baseados em planilhas e integrar equipes de forma inteligente, pois atividades manuais geram processos lentos, bem como expõe tais atividades a um nível elevado de erros.

E como resolver isso? Vejamos no próximo tópico!

Adote o uso de um bom sistema de gestão

O uso de um sistema de gestão não é um privilégio de apenas algumas áreas da empresa, mas, deve englobar e integrar todas as áreas, visto que, somente assim, haverá coesão entre todas as atividades.

O BackOffice lida com muitas atividades que suportam as demais áreas da empresa, por isso, para melhorar a gestão da área é essencial a implantação e o uso de um bom sistema de gestão, visto que, essa ferramenta proporcionará um ambiente de integração entre todas as áreas de BackOffice, bem como tornará o processo de gestão da informação mais efetivo.

Assim, será possível segmentar o BackOffice em áreas menores, aproveitando melhor o seu capital humano com o objetivo de obter maior produtividade e, em consequência, gerar alavancagem nas demais áreas da organização.Viu como em poucos passos você pode melhorar a gestão de BackOffice da sua empresa? Assim, ao adotar cada etapa desse artigo, certamente, sua empresa terá um BackOffice efetivo que suportará as operações da sua empresa de forma ágil e precisa.

Solicitar Orçamento

×